Softwares de alta segurança em discussão na UMinho esta quarta-feira

1 Fev, 2017
813 Visitas
Banner

Autor:
PressTechITT

A Universidade do Minho acolhe esta quarta-feira, dia 1, às 14h30, a lição inaugural da Cátedra PT-FLAD em Cidades e Governação Inteligentes, com a participação do especialista Gilles Barthe, do IMDEA Software Institute, Espanha. O evento, com entrada livre, tem lugar no auditório da Escola de Engenharia (edifício 16) do campus de Gualtar, em Braga.

A sessão inicia com uma breve apresentação da Cátedra, criada em 2016 e suportada pela Portugal Telecom e Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento.

Segue-se a aula inaugural “High-Assurance Software for Security and Privacy”, proferida pelo investigador Gilles Barthe.

Barthe é doutorado em Matemática pela Universidade de Manchester (Reino Unido), autor de mais de uma centena de artigos científicos citados, editor das publicações Journal of Automated Reasoning e Journal of Computer Security e coordenador de vários estudos nacionais e europeus.

A partir das 15h45 há uma mesa redonda que junta Mário Moreira, do Centro de Estudos de Telecomunicações da Altice Labs, Henrique Santos, do Centro Algoritmi da UMinho, e José Nuno Oliveira, do Laboratório de Software Confiável (HASLab) da UMinho e do INESC TEC. A moderação é da responsabilidade de Sara Fernandes, da Universidade das Nações Unidas – Unidade Operacional em Governação Eletrónica (UNU-EGOV).

A Cátedra PT-FLAD pretende viabilizar projetos de ensino e investigação na área das tecnologias de software confiável para suporte ao desenvolvimento de cidades e infraestruturas de governação inteligentes. A sua criação deve-se ao papel da UMinho nesta área, nomeadamente ao acolher em 2014, no campus de Couros, em Guimarães, o polo da UNU-EGOV e a unidade de desenvolvimento da Agência para a Modernização Administrativa (AMA), um laboratório para prototipagem e projetos-piloto em EGOV.

Também no domínio multidisciplinar das cidades inteligentes, a UMinho tem vindo a desenvolver diversas tecnologias de suporte (como segurança informática, sistemas ciberfísicos e big data) e projetar iniciativas-piloto com impacto na evolução das sociedades e do Estado.