Insónias e Apneia do Sono na gravidez poderão estar ligadas a uma maior probabilidade de parto prematuro

10 Ago, 2017
314 Visitas
iStock_47807470_MEDIUM

Autor:

As mulheres com distúrbios do sono, como insónias e apneia, durante a gravidez podem ter uma maior probabilidade de vir a dar à luz bebés prematuros do que as mulheres que não têm problemas de sono, sugere um estudo dos EUA publicado na revista Obstetrics & Gynecology.

Em comparação com mulheres sem distúrbios de sono, as mulheres com insónias revelaram uma probabilidade 30% maior de vir a ter um parto prematuro. No que diz respeito às mulheres com apneia do sono, as probabilidades eram 50% maiores, aponta o estudo.

É normal que existam algumas mudanças nos padrões do sono durante a gravidez – muitas vezes devido a desconforto – mas o estudo atual centrou-se nos problemas de maior gravidade.

A apneia já foi inclusivamente associada ao aumento da tensão arterial durante a gravidez, que é um fator de risco para partos prematuros.

A gravidez dura normalmente cerca de 40 semanas, sendo que o novo estudo se centrou em bebés que nasceram entre as 34 e as 36 semanas de gestação e bebés extremamente prematuros nascidos antes das 34 semanas.

A equipa de investigadores analisou dados de mais de 3 milhões de nascimentos na Califórnia entre 2007 e 2012. Posto isto, concentraram-se em 2.172 mulheres com um diagnóstico de transtorno do sono e compararam os seus resultados de nascimento com os de um grupo aleatório de 2.172 mães sem problemas de sono.

As mulheres com distúrbios do sono tinham uma maior probabilidade de ser negras, com idade igual ou superior a 35 anos, obesas e de ter outras questões médicas como tensão arterial alta, diabetes e infeções, bem como mais probabilidades de fumar ou usar drogas e álcool durante a gravidez.

No geral, quase 15% das mulheres com distúrbios do sono teve um parto prematuro, em comparação com 11% das mulheres sem problemas de sono.

O estudo não foi projetado para provar como ou mesmo se os distúrbios do sono causam diretamente partos prematuros, mas oferece informações valiosas para perceber a ligação entre ambos.