Anemia protege crianças africanas da malária

8 Jan, 2017
1549 Visitas
istock-486376513

Autor:

A falta de ferro é a deficiência nutricional mais comum no mundo, com consequências adversas a longo prazo para milhares de crianças.

No entanto, as preocupações permanecem quanto à segurança dos suplementos de ferro, em particular para as crianças que vivem em países com malária e que não têm acesso adequado aos serviços de saúde.

Um grupo de investigadores da Universidade da Carolina do Norte, EUA, provou recentemente que essas preocupações são válidas após a descoberta de que a anemia por deficiência de ferro protege as crianças contra a fase sanguínea da malária por Plasmodium falciparum na África. O tratamento da anemia com suplementação de ferro remove este efeito protetor.

Os resultados do estudo foram publicados no EBioMedicine.

Em conjunto com colegas do Medical Research Council Unit, África, e da London School of Hygiene & Tropical Medicine, os investigadores estudaram os glóbulos vermelhos de 135 crianças anémicas com idades entre os 6 e os 24 meses numa região africana com malária endémica. As crianças receberam ferro através de micronutrientes em pó durante 84 dias, sendo que os seus glóbulos vermelhos foram analisados nos dias 49 e 84.

Desta feita, os cientistas descobriram que a anemia reduz a fase sanguínea da malária em 16%.

“A nossa constatação de que a anemia oferece uma proteção natural contra a fase sanguínea da malária leva-nos a formular a interessante hipótese de que a prevalência generalizada de anemia em pessoas de ascendência africana é uma assinatura genética da malária”, aponta Morgan Goheen, autor principal do estudo.

Os défices na invasão e crescimento do P. falciparum no sangue foram invertidos quando as crianças anémicas receberam a suplementação de ferro.

O trabalho da mesma equipa sugere que o aumento da invasão e taxas de crescimento do parasita após a suplementação de ferro são causados ​​pela forte preferência do mesmo por glóbulos vermelhos jovens.

Os novos resultados consolidam assim a evidência de que a suplementação de ferro nestas crianças aumenta o risco de malária por P. falciparum.

Fonte:
EBioMedicine